Make your own free website on Tripod.com

Pesquisa: Qual é a Origem do Dia das Mães?

 

Estamos no mês de MAIO, o "mês das mães". Ao aproxímar-se o segundo domingo de maio que é mundialmente considerado dia de comemoração a todas as mães. A Igreja Católica e as igrejas protestantes sempre festejam e comemoram esta data fazendo alguma homenagem especial para as mães de suas comunidades religiosas. Mas o mais interessante para nós como adventistas é que quando chega o Sábado que antecede o 2º domingo do mês de maio, todas as programações de muitas igrejas que professam o adventismo são voltadas para as mães também, assim como acontece com as igrejas protestantes.

No Sábado pela manhã, a partir das 9 horas o Programa da Escola Sabatina que é preparado pelas Instituições superiores traz preparada toda uma homenagem às mães, os hinos especiais falam sobre as mães e as orações também. Na 2ª Hora, no culto divino o pregador apresenta uma mensagem especial para as mães, à tarde no Programa dos Jovens, o tema central também são as mães ou/e o dia das mães.

Mas afinal qual será a origem do dia das mães? Temos acostumado por muito tempo, a seguir a maioria, a fazer algo porque todos os outros fazem e aparentemente não faz mal, "não tem nada haver" como dizem. Mas será realmente que "não tem haver" ou tem muito haver com nossa salvação? Nós como cristãos, ainda mais como adventistas que somos, devemos examinar as coisas antes de as colocá-las em prática na nossa vida. Não podemos ser simples marionetes manipuladas pelo impulso da maioria. A nossa salvação está em jogo e como diz a Sra. Ellen White: "Devemos examinar tudo por nós mesmos".

Leia a seguir uma pesquisa que fiz há alguns anos atrás e que ajudou a igreja local da qual faço parte entender o real significado do "dia das mães" e como agir nesta data.

DIA DAS MÃES? QUAL A SUA ORIGEM E OBJETIVO?

Será que como adventistas do sétimo dia devemos comemorar esta data? Leia com atenção!

2º DOMINGO DE MAIO

DIA DAS MÃES

“DEFINIÇÃO – Em numerosos países civilizados, o segundo domingo de maio é consagrado à comemoração do “Dia das Mães”, daquelas mulheres que, tendo dado vida a outros seres humanos, consagram sua própria existência a fazer a felicidade de seus filhos.

HISTÓRICO – O “Dia das Mães”, nasceu pequeno e, humilde, em 1907, numa cidadezinha do interior americano, chamado Grafton, no Estado de West Virginia, graças ao persistente esforço de uma moça do povo. Chamava-se ela Anne Jarvis e perdera sua mãe, a quem amava com profundo amor, a 9 de maio de 1906.

No ano seguinte, ao comemorar o primeiro aniversário da morte da mãe, portanto, em maio de 1907, Anne Jarvis lhe prestou sentida homenagem. Mas ficou, também, a pensar nas outras mães já falecidas, que nem sempre tinham um filho que pudesse visitar no cemitério.

Anne Jarvis tomou, então, a iniciativa de escrever uma carta ao governador de seu Estado, Sr. William Glassock, sugerindo que organizasse anualmente uma comemoração especial para as mães, mortas ou vivas.

O governador de West Virginia achou a idéia magnifica e baixou um decreto, já em 1910, instituindo oficialmente o “Dia das Mães” no território daquele Estado.

E como homenagem a Anne, que tinha levantado a maravilhosa idéia, determinou que as comemorações se dessem no segundo domingo do mês de maio, data mais próxima do falecimento da mãe de Anne. Por uma coincidência felicíssima, o mês de maio é, desde muitos séculos atrás, dedicado a Maria, “Mãe de Deus”. Nada mais justo e acertado, portanto, do que comemorar o “Dia das Mães” no mês de maio, o mês de Maria, a mãe por excelência.

Quatro anos depois, em 1914, a comemoração do Estado de West Virginia já se estendera pelo país todo, e eis que então o presidente da República Woodrow Wilson baixa um ato oficializando o “Dia das Mães” em todo território norte-americano.

Decorridos outros quatro anos, a comemoração chegou ao Brasil: em maio de 1918, pela primeira vez em nosso país, se festeja o “Dia das Mães”, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. A iniciativa coube a um grupo de moças e senhoras patrocinado pela Associação Cristã de Moços (uma Associação da Igreja Católica) da capital gaúcha, que convidaram o distinto escritor Alvaro Moreyra (já falecido) para presidir à comemoração. A data passou a ser festejada em nosso país, mas sem nenhuma expressão. Somente no ano de 1932, por ocasião de um “Congresso Feminista” foi o assunto trazido à baila, cabendo à senhora Alice Tibiriçá, à frente de uma comissão de damas, dirigir-se ao então Presidente da República Getúlio Vargas, pedindo a oficialização do “Dia das Mães” no Brasil. O chefe do Governo concordou e baixou o Decreto lei n.º 21.366, de 5 de maio de 1932, determinando a comemoração oficial do “Dia das Mães” em nossa Pátria.

Mais cinco anos se passaram e, em 1947 o Cardeal Dom Jaime Câmara determinou que na arquidiocese do Rio de Janeiro, se incluísse oficialmente no calendário da Igreja Católica a comemoração do “Dia das Mães”, sempre no segundo domingo do mês de maio. Desde então tem sido dias emocionantes, tão caros ao coração de todas as criaturas humanas, o “Dia das Mães”. E como uma das melhores formas de mostrarmos nossa amizade ou consideração por uma pessoa é dar-lhe presentes, tornou-se um hábito – extremamente simpático – todos darem presentes a suas mães nesse dia.

Manda a verdade dizer que o comércio soube aproveitar bem a idéia de dar um presente às mães, e passou a fazer enorme publicidade em torno, com a força da publicidade ganha muito, naturalmente, o comercio lojista”. Fonte: Livro Didático Para Professores do Ensino Fundamental

Na realidade a comemoração do Dia das Mães não passa de uma comemoração pagã/católica criada nos EUA e firmada pela Igreja Católica mundialmente para homenagear as mães mortas e vivas, tendo como objetivo uma adoração disfarçada à Virgem Maria. Nós como reformistas não devemos copiar este exemplo católico, pois temos que nos manter separados de todos os costumes e práticas do mundo.

Advertência:

“Lembrança do Cuidado e Amor de Deus

Nossos aniversários, Natal e festas do Dia de Ações de Graças, são não raro devotados a satisfações egoístas, quando a mente devia ser dirigida para a amorável bondade e misericórdia de Deus. É desagradável ao Senhor que Sua bondade, Seu constante cuidado, Seu incessante amor, não sejam trazidos à mente nas ocasiões de aniversário. Review and Herald, 23 de dezembro de 1890.”  Ellen G. White - Conselhos Sobre a Escola Sabatina, pág. 143-144

"As sugestões de Satanás são executadas em muitas, muitas coisas. Nossos aniversários natalícios e festas de Natal e de Ações de Graça freqüentemente são devotados à satisfação do eu, quando a mente devia ser dirigida para a misericórdia e a amorável benignidade de Deus. Deus Se desagrada de que Sua bondade, Seu constante cuidado, Seu incessante amor não sejam trazidos à lembrança nessas ocasiões de aniversário.

“A Causa de Deus em Primeiro Lugar

Tenho dito a minha família e meus amigos: É meu desejo que ninguém me dê presentes de aniversário ou de Natal, a não ser com a permissão de transferi-los ao tesouro do Senhor, para serem usados no estabelecimento de Missões. Review and Herald, 27 de dezembro de 1906”. Ellen G. White - O Lar Adventista, pág. 474

DAR PRESENTES? 

“Devem os que participam da natureza divina sair das influências mundanas, das festividades ocas, e assentar-se com Cristo, em comunhão de coração com o seu Redentor.” Ellen G. White - Testemunhos Para Ministros pág. 344

"Se todo o dinheiro usado extravagantemente, para coisas desnecessárias, fosse colocado no tesouro de Deus, veríamos homens, mulheres e jovens entregarem-se a Jesus e fazerem sua parte para cooperar com Cristo e os anjos. As mais ricas bênçãos de Deus adviriam às nossas igrejas, e muitas almas se converteriam à verdade. Review and Herald, 23 de dezembro de 1890”. Ellen G. White - Conselhos sobre Mordomia, pág. 295.

“Foi associando-se com os idólatras e unindo-se às suas festas que os hebreus foram levados a transgredir a lei de Deus, e trazer Seus juízos sobre a nação. Assim, agora, é levando os seguidores de Cristo a associar-se com os ímpios e unir-se às suas diversões que Satanás é mais bem-sucedido ao induzi-los ao pecado. "Saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo." II Cor. 6:17. Deus requer hoje de Seu povo uma distinção tão grande do mundo, nos costumes, hábitos e princípios, como exigia de Israel antigamente. Ellen G. White - Patriarcas e Profetas, pág. 458”. O Lar Adventista¸ pág.460

Devemos evitar toda a aparência do mal. “Aparte-se do mal, e faça o bem;”. I Pedro 3:11 “Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado”. Hebreus 13:17.

Um forte abraço, Marcos Peter, Guanambi, BA, adventista da reforma.

 

Semiramis ou Maria?

O Maior Fenômeno Religioso do Século

Teve sua Origem em Babilônia

Por   Jaime D. Bezerra

 

Depois do Dilúvio, os sobreviventes se multiplicaram formando regiões, cidades e povos. Babilónia dos Caldeus, foi a primeira cidade formada pelos descendentes de Noé, mas que posicionou-se contra Deus e Seus estatutos. A torre de Babel foi o exemplo máximo de rebelião contra Deus e como resultado espalharam-se  para novas regiões. Não obstante esta pioneira religião ganhou novas roupagens adaptando-se a cada povo em todo o mundo, embora em sua essência, permaneça viva até os dias de hoje suas formas de idolatria e falsas doutrinas. Ninrod, guerreiro e o fundador da cidade dos caldeus, Babilónia, casa-se com Semiramis que recebe o título de Rainha de Babilónia entre outros. Historicamente, Ninrod é conhecido como aquele que é marido de sua mãe. A força do desenvolvimento idolátrico desta nação fez com que surgisse toda sorte de rituais e horrores contra as leis de Deus a ponto de sacrificarem crianças em honra a Ninrod. Apesar disso, quando Ninrod faleceu grande mágoa foi sentida pelo povo. Semiramis, sua mulher,  que é conhecida como aquela que investiu em sua própria imagem de depravação e mente poluída e originadora de orgias e licenciosidade, se move rapidamente no sentido de não perder o poder que havia ganho junto ao seu marido, então após sua morte anuncia sua gravides apesar de não ter um cônjuge...

É então reconhecida como a virgem que concebeu pelos poderes dos deuses, ora, seu bebe diz ela, é a reencarnação de Ninrod. Adorada como Rhea, a grande "Mãe" dos deuses e Vénus a Mãe de toda impureza, Semiramis assim se torna  governadora desta cidade, onde a prostituição e idolatria é considerada sagrada. A influência desta nova concepção espiritualista faz com que se desenvolva uma estrutura tão poderosa quanto maligna. Esta religião alimentou o pecado e moldou-se de tal forma o coração humano que mesmo hoje, cerca de seis mil anos depois, vemos em nossa volta os frutos e até rituais semelhantes aos praticados por aquela nação ancestral. O mesmo demónio que trouxe o engano  àquela nação, se reveste de Maria no seio do Cristianismo em pleno século XXI, isso nos mostra, entre outras cosas, que o homem não mudou desde a 6 mil anos, e Satanás bem o sabe. Semiramis ou Maria? A resposta é fácil! 

Divaki e Krishna

Isis e Osiris ou Horus

Shing Moo

Na Índia Semiramis se torna Divaki e Krishna, a Mãe e a Criança. No Egipto Isis e Osiris, na China e Japão Shing Moo, Santa Mãe. Após milénios o paganismo alcança dimensões geográficas jamais calculadas por seus fundadores, é evidente que Satanás investiu toda sua mente e engano na pregação do seu evangelho, que afinal também tem sido pregado a todo mundo, língua e povo.

Diana de Éfeso

Semiramis como era conhecida em Babilónia e outras terras não foi esquecida, mas, é hoje ainda adorada pelo mundo pagão (oriental) e  cristão (ocidental), neste último, através de uma nova "roupagem", confira os títulos desta heresia que abrangeu/ge todos os povos.  

● Éfeso: Diana, a mãe dos deuses.

● Scandinavia: Disa a mãe com o criança

● Grécia: Afrodite, "A Mediatriz."

● Roma: Vénus (deusa), Júpiter (criança).

● Israel: Astarot, (deusa) Baal (criança)

(Juizes 2:13)

"Mesmo no Tibete, China, e Japão, os Jesuítas missionários foram surpreendidos ao encontrarem a duplicata de Madona e sua criança, sendo adoradas como na própria Roma." Na África a "Grande Mãe" recebeu honras divinas. Idem pág.15. ("Two Babylons", pág. 20, veja a foto inicial acima).


 

 

 

 

 

"Mãe de Deus" e as Aparições - Em 431, no terceiro Concilio Ecuménico, em Éfesus (Turquia), surge o título acima, além de ser incorporado nas rezas. Guadalupe, México, 1531: Aparece quatro vezes a um índio Juan Diego, ganha o título de Nossa Senhora de Guadalupe. Paris, França, 1830: Catherine Laboure, viu Maria duas vezes na capela de S. Vicente de Paula e pede para ela ter uma medalha a qual se tornou miraculosa.

 

Estátua que foi vista chorando sangue em 1993 nas Filipinas.

 

Imaculada Concepção, 1854: Papa Piu IX declara que Maria foi preservada do pecado original, pela graça divina.

Lurdes, frança, 1858: Maria aparece 18 vezes em Massabielle, entre Fevereiro e Julho. Ela refere-se a si própria como sendo Imaculada Concepção.

Pontmain, França, 1871: Maria aparece a quatro crianças e pede para que elas orem para que as Tropas Prussianas regressem.

Knock, Irlanda, 1879: Figuras de Maria, José, João o Apóstolo, uma ovelha e uma cruz aparecem acima da capela da vila diante de 15 pessoas.

Fátima, Portugal, 1917: Três jovens crianças da idade de 7 a 14, viram Maria seis vezes entre a primavera e o outono. Depois seguiu-se sinais no céu onde milhares de pessoas puderam ver.

Beauraing, Bélgica, 1931-33: No jardim da escola do convento Maria apareceu 33 vezes no inverno de 1932 e 33 a 5 crianças, apareceu como a Virgem do Coração Dourado.

Banneux, Bégica, 1933: Mariette Beco, 12 anos, viu Maria oito vezes no inverno deste ano no jardim da sua casa. Maria chamou-se a si própria de Virgem dos Pobres e prometeu interceder pelos pobres, doentes e os que sofrem.

A Assunção 1950: O Papa Piu XII declara que Maria foi tomada ao céu, corpo e alma. Esta foi a última data que a infalibilidade papal foi invocada como definitivo dogma.

Amsterdam, Holanda, 1945-59: Maria chama a si própria de Senhora de Todas as Nações, apareceu muitas vezes a Ida Peerdeman. Prometeu a paz no mundo e petição ao papa para seu titulo de Co- Redentora, Mediatrix e Advogada.

Kibeho, Rwanda, 1981-89: Visionários viram imagens do genocídio. Na última aparição, 28 de Novembro 1989, Maria chamou-se a si própria de Mãe do Mundo, pediu rezas e rosários.

Medjugorje, Bosnia e Herzegovina, 1981: Seis crianças tem tido visões de Maria, começando em Junho de 1981 quando ela apareceu a eles como uma linda jovem mulher em esplendor dourado, chamando-se a si própria de Rainha da Paz. Dez milhões a vinte milhões de peregrinos tem visitado este lugar desde então.

Estigma

 

Estes fenômenos físicos requerem sofrimentos indescritíveis ao escolhido, que por sua vez pensa

estar favorecendo à intercessão divina pelo mundo pecador. Nas aparições de Maria é se reiterado o préstimo destas pessoas, tornando-as seguidoras fiéis e prontas a darem a própria vida em favor da graça de Deus, uma espécie de intercessora. Por tal sofrimento, aplaca-se a ira divina, segundo a doutrina católica-mariana.

Padre Pio de Itália (1887-1968) no momento da Missa com o visível estigma em sua mão. Uma vez ele disse que seria mais fácil para o mundo existir sem o sol do que o Santo Sacrifício da Missa. Não há qualquer explicação ou tratamento médico conhecido para este fenômeno. Os que o possuem são devotos incontestáveis de Maria e todos os seus pedidos.

O milagre da eucaristia (hóstia), surge sangrando na boca de Julia Kim, estigmata Set. 1995, em plena Missa celebrada pelo Bispo Romano Danylak de Toronto em Naju, Coreia.

Christina Gallagher, visionária é possuidora de estigma, County Mayo, Irlanda. Sangra como as feridas de Jesus. Sua mensagem fala fortemente sobre  a perda de fé no mundo.

A Estátua de "Nossa Senhora de Lurdes" localizada no Centro de  Recursos Católicos , Sinais dos Tempos em Sterling, Virginia. A estátua chorou por mais de seis semanas, começando em 21 de Março de 1991. Esta "Nossa Senhora" disse ao Padre Gobbi, "eu estou chorando porque um grande número de almas de minhas crianças, estão se perdendo e indo para o inferno.

(É possível notar nos olhos da estátua, as lágrimas.)

 

 

Therese Neumann (1898-1962) mística e estigmata da Alemanha. Ela não comeu, bebeu, dormiu, ou teve qualquer função fisiológica por 40 anos - um facto bem conhecido e documentado. Ela sobreviveu solenemente apenas com a Eucaristia (hóstia).

 

Ninrod  &  Semiramis

Criança chamada de   Tammuz, Babilónia.

Babilónia- A Grande deusa, a Mãe de deus, Rainha do céu, A mediadora, Astarte, Mãe da humanidade...

Dagon deus peixe, deus sol Baal, nome conhecido em Canaã.

Devaki & Crishna, India adoptou.

Júpiter

Templo pagão Panteon, Roma.

Shing Moo, Madonna e a criança, China.

Bacchus,

deus da rebeldia, Roma.

Athena, deusa grega,

Osíris deus Egípcio.

Isis, deus Egípcia.

Mitra, Ninus, Dionisios,

Horus, Iachus, Isvara...

Diana, Efesius.

Zeus, Grécia.

Afrodite, Grécia.

Ada, Enlil, Netuno, Poseidon, Oannes (deus peixe em Babilónia).

Astaroth, Israel.

Disa, Scandinavia.

Conclusão - Diante destes poucos factos, vemos que Satanás abertamente expõe suas estratégias e enganos, ele não tem limites para sua obra de mentira e manipulação do ser humano.  Enquanto o mundo protestante esconde sua mensagem e se preocupa em estudar melhores estratégias para não espantar novos conversos, autênticos demónios fazem sinais e põe-se adiante dos supostos sentinelas de Cristo que com medo esperam que Jesus, em espírito onipresente, um dia faça tudo. Hoje, nas livrarias  públicas vemos toda espécie de espiritismo, para todos os gostos, com ideias claras e definidas prometendo uma vida espiritual que poderá começar mesmo hoje. Na televisão, rádio, e revistas a mesma estratégia de que o homem "não morrerá" é confirmada pela aceitação de um mundo desenformado das intenções de Deus. Esta obra de engano propõe uma paz e vida que invejam a muitos cristãos de pouca fé. De facto, o espiritismo prevalece em todo o mundo exactamente como foi profetizado e sem quaisquer censura proclama seu "evangelho" a custa dos  adventistas que decidiram em pleno momento de provação se calarem perante a Besta e o Falso Profeta e o Paganismo.


Fátima, Uma Estratégia!

No pequeno vilarejo de Fátima em 1917, começou

mais um evidente engano que afinal tem servido de elo estratégico entre as duas maiores religiões do mundo.

 

 

(Autor solicitou anonimato)

Na quinta-feira 13 de Abril do presente ano 2000, o Papa João Paulo II recebeu o rei Mohamed VI de Marrocos como descendente de Mohamed, o fundador e profeta do Islamismo. Enquanto os dois líderes se saudavam o Papa perguntou ao rei: Você deve ser o descendente de Mohamed, não?

E o rei de Marrocos respondeu: - Sim, santo Padre.

Não se fizeram declarações oficiais após a reunião, ainda que se tratassem temas como a paz no Médio Oriente, o status da cidade de Jerusalém e a cooperação entre cristãos e muçulmanos. O monarca ofereceu ao Papa como presente um punhal árabe, e o Papa presenteou o monarca com uma estátua da virgem Maria. Esta foi a segunda visita de um monarca marroquino ao Vaticano. A primeira foi a visita realizada pelo rei Hassan em 1991. (France Press, 13 Abril, 2000)

  Que lógica tem que o Papa dê uma estátua de Maria a um monarca muçulmano? Porque Mohamed VI recebeu com agrado esta estátua? Pode um muçulmano adorar a virgem Maria? O catolicismo e o islamismo mantêm um vínculo muito estreito, e esse vinco tem sido o maior segredo da igreja católica.

  Durante muitos anos, tenho ouvido e lido acerca da dificuldade que existia na formação de um movimento ecuménico mundial, já que os muçulmanos mantêm uma postura radical e separada das demais organizações religiosas do mundo. Isto fez-nos ver o movimento religioso universal, descrito no Apocalipse, como algo longínquo. No presente artigo vamos descobrir como esse conceito não é de todo correcto.

Através da história sabemos que muitos cristãos da igreja primitiva emigraram para África a fim de evitar a perseguição do império romano. Muitos desses cristãos converteram-se ao catolicismo tal como ocorreu noutros lugares. Um descendente destes conversos foi Agostinho. Nascido na Argélia no ano 356 DC, chegou a ser bispo de África e mais tarde considerado padre da igreja católica. Os católicos logo começaram a evangelizar os nómades. Conta-se que Agostinho ganhou tribos árabes inteiras para o catolicismo, mas apesar disso teve que enfrentar muita oposição. Por isso, a igreja católica começou a promover e divulgar a ideia de que um grande líder árabe devia unir todos os árabes. A igreja de Roma queria criar um messias árabe, um grande líder a quem se pudesse ensinar as doutrinas, e que com o tempo se chegasse a unir este povo.

A cidade mais sagrada do Islão é Meca. Ali encontra-se a Kaaba (Casa de Deus) que era um templo dedicado à deusa-lua. Antigamente, os visitantes levavam ofertas a este lugar. Alguns levavam os seu ídolos, os quais eram depositados nesse santuário. Houve árabes católicos que introduziram imagens da virgem Maria e do menino Jesus nesse lugar. Mahoma nasceu nesta mesma cidade. Quando nasceu, o seu avô Abd Almuttalib levou-o a Kaaba e elevou uma oração de gratidão a Alá. Aos seis anos ficou orfão. Aos vinte e cinco casou-se com uma mulher chamada Khadijah. Esta mulher, de família rica, havia sido convertida ao catolicismo, o que a levou a doar muita de sua riqueza à igreja católica. A mulher de Mahoma tinha um primo chamado Waraquah, que também era um fiel católico. Este homem chegou a ser conselheiro de Mahoma e teve uma influência muito importante sobre ele. Através deste homem, Mahoma conheceu e estudou as obras de “Santo” Agostinho. Foi-lhe ensinado que os católicos eram os únicos cristãos verdadeiros e os judeus eram inimigos que se tinham que eliminar. Este ensino continua até ao dia de hoje, e por isto a grande dificuldade que se encontra na hora de pregar o verdadeiro evangelho aos árabes.

Mais tarde, Mahoma e seus seguidores foram perseguidos durante um tempo porque recusaram adorar os ídolos da Kaaba, em Meca. Mahoma recomendou aos seus seguidores para fugir para Abisinia. Nego, rei católico da dita cidade, recebeu-os graças à opinião tão próxima do catolicismo que Mahoma tinha sobre Maria. (The Meaning of the Glorious Koran, pág. 220-221. Mentor Books. EUA)

Mahoma disse em certa ocasião que: “Satanás toca em cada filho de Adão no dia em que a sua mãe dá à luz, com excepção de Maria e seu filho.” (Muhammad, pág. 26. Martin Lings Inner Traditions International, NY, EUA)

Depois emigrou para Medina, cidade que dista 300 Km de Meca. Dalí dirigiu os seus ataques às caravanas que se dirigiam para Meca, e também atacou povoações judias. (Enciclopédia Britânica, vol. 12, pág. 607)

Mahoma teve dois filhos e quatro filhas. A filha mais famosa de Mahoma chamava-se Fátima. Esta mulher casou-se com o sucessor de Mahoma, Alí. Segundo o Islão, perto do ano 610 DC Mahoma recebeu uma visão na qual dizia que ele seria o mensageiro de Alá. Algumas dessas revelações entraram no Corão em 650 DC. O Corão reconhece Jesus como profeta. Como o Papa diz ser o representante de Deus na terra, os muçulmanos respeitam-no.

Em 630 DC, Mahoma tomou Meca e eliminou todos os ídolos que ali havia excepto um. Ele queria formar a sua própria religião, por isso escolheu o deus alilah (o deus ou deusa-lua), mais tarde Alá, como o único deus, e autoproclamou-se profeta. Assim Alá converteu-se ao deus da tribo Quraish. Este deus Alá era simbolizado por uma lua crescente. É por isto que em todos os países islâmicos pode-se encontrar este símbolo, e é também por isso que o Ramadão começa e termina com a lua crescente.

Não obstante, a história demonstrou que antes do surgimento do Islão, os sábios da Arábia adoravam a lua, cônjuge do deus-sol. Deus recriminou as filhas de Israel por levar pendurado ao colo este mesmo símbolo. (Isaías 3:18, CBA, t 4, pág. 157) O Islão, entretanto, é uma versão mais moderna de uma religião ancestral que adorava a fertilidade da deusa-lua.

A igreja católica desde o princípio desejou o controle de Jerusalém dada a sua importância religiosa. O catolicismo sabe que a cidade de Roma nada tem a ver com o cristianismo e que a verdadeira “capital” do cristianismo é Jerusalém. Daí o seu interesse em conquistá-la. O problema que se encontrou foi o povo judeu. Por outro lado, os cristãos do norte de África continuavam crescendo, mas Roma não tolerava nenhuma oposição. A igreja de Roma encontrou no povo árabe uma mão de obra barata para utilizar contra os judeus e cristãos. (Daqui deriva o ódio que actualmente os árabes têm tanto a judeus como a cristãos.)

Os exércitos islâmicos, financiados pelo Vaticano, invadiram a África do Norte e mais tarde o Vaticano financiou a conquista da cidade de Jerusalém com o desejo de estabelecer-se ali. Nenhum católico, monge agostino ou lugar católico sagrado sofreu mal algum. Os árabes negaram-se a cumprir a promessa de entregar a cidade e foi mais tarde foi que construíram a mesquita da Roca sobre o llacimiento antigo templo judio. Posteriormente, vieram as cruzadas. Turquia, Espanha e Portugal foram invadidos por forças islâmicas. Em Portugal, os árabes puseram o nome de “Fátima” a um povo em honra da filha de Mahoma. Chegaram então os acordos entre o povo árabe e a igreja católica. Entre outras coisas, acordou-se que os muçulmanos poderiam construir, sem interferências, mesquitas em países católicos. Em contrapartida, os católicos poderiam expandir-se em países árabes. Muçulmanos e católicos decidiram, também, oprimir e destruir os seus inimigos mútuos: os judeus e os cristãos.


Padre Mário de Oliveira, excomungado da Igreja Católica por denunciar as suas heresias, nomeadamente a falácia de Fátima, ficou famoso por sua sinceridade e coragem num momento de silêncio generalizado por parte das muitas religiões... Lançou seu livro "Fátima Nunca Mais" o que o levou à televisão, rádio e hoje é conhecido por milhões de pessoas. Sua voz foi contra a exploração dos miseráveis que pensam estar sendo perdoados pela virgem, mas que apenas enchem os cofres da igreja com suas indulgências e ofertas. O Padre Mário surpreendeu acima de tudo os líderes protestantes em Portugal, que continuam procurando favores  com a Igreja Católica, rejeitando assim a  proclamação das verdades bíblicas publicamente.

"Aconselho-te..." esteve pessoalmente numa entrevista com ele onde numa de suas frases sinceras e marcantes disse: "dou a vida pelo que acredito"... Sem  comentários. Padre Mário de Oliveira, a "pedra que clama."


Os jesuítas decidiram que para recuperar e aproximar o Islão do catolicismo, deviam buscar um lugar de devoção para os muçulmanos e convertê-lo ao catolicismo. Esse lugar foi Fátima. Depois da morte da sua filha Fátima, Mahoma escreveu que ela é “a mulher mais venerada no Paraíso depois de Maria.” Houve a aparição de Fátima em 1917 e os jesuítas inventaram as novenas a Fátima. O bispo Sheen, Director da Propagação de fé, chegou a dizer que: “A aparição de nossa senhora em Fátima marcou um ponto decisivo na história dos 347.000.000 de muçulmanos no mundo, o povo mais difícil de converter ao cristianismo (catolicismo).” Segundo o bispo Sheen, a virgem Maria quis dar-se a conhecer como Nossa Senhora de Fátima como sinal e promessa de que os muçulmanos que crêem no nascimento virginal de Cristo, um dia crerão na divindade de Cristo.

Assinalou que as estátuas da virgem de Fátima para peregrinos foram recebidas com entusiasmo pelos muçulmanos de África, Índia e outras partes, e que há muçulmanos que agora vão à igreja católica. (The Womam Shall Conquer, pág. 164, Sharkey, Prow Books, Kenosha, WI, EUA)

Outro evento que aproximou ainda mais o Islão da igreja católica foi o atentado contra João Paulo II. No dia 13 de Maio de 1981 o Papa sofreu um atentado que poderia ter-lhe custado a vida pelas mãos de Alí Agca. Mehmet Alí Agca está reconhecido como um dos maiores peritos assassinos da Europa. Alí disparou três vezes ao Papa a uma distância de três metros.

Poderia um atirador perito falhar três disparos e disparar na zona abaixo do umbigo somente a três metros? Parece que Alí não tinham muita intenção de matar o Papa, tal como se lhe havia ordenado. O que se conseguiu é que os muçulmanos sentissem tristeza porque um deles tinha atentado contra um representante do profeta Jesus na terra, e também se conseguiu que os ayatolas enviassem condolências e desculpas ao Papa. Quando mais tarde o mundo viu o Papa perdoar a Alí Agca por lhe ter atingido, quase mil milhões de muçulmanos sentiram admiração por “Sua Santidade”. Por outro lado, após o atentado da Praça de São Pedro, o Papa assinalou que: ”Uma mão (referindo-se a Alí) apontou a arma, outra (em referência à virgem de Fátima) desviou o tiro.” Dezanove anos depois, o Papa visitou o santuário de Fátima em Portugal a fim de ter um “gesto de gratidão à Virgem pela protecção que lhe dispensou durante estes anos de pontificado,” segundo declarou o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Sonado. (El Mundo, 14 de Maio, 2000.)

Em resumo, é graças a Fátima que o Papa ainda está vivo. Este, o atentado ao Papa, supõe-se que era o terceiro segredo que a virgem de Fátima teria declarado a três pastores na cidade de Fátima em 1917. Em definitivo, uma virgem católico-árabe foi a que saiu louvada no fim de tudo. Para o mundo desde sempre tem sido um grande segredo, para os que o organizaram foi uma trama muito bem estudada e executada. Nós cristãos sabemos que só Deus é capaz de conhecer o futuro, e também sabemos que “os mortos não sabem coisa nenhuma” porque “a sua memória ficou entregue ao esquecimento.” (Eclesiastes 9:5). Portanto, não foi Fátima quem apareceu em Portugal, nem tão pouco predisse nada. Tudo foi planeado e executado muito habilmente, ainda que o mundo cresse na imitação. Não é de estranhar que a Bíblia diga que “Satanás engana todo mundo.” (Apocalipse 12:9)

Hoje mesmo, Alí Agca está sendo deportado da Itália para a Turquia. Há uns dias ele concedeu uma entrevista ao jornal espanhol “El Mundo”. Segundo Alí, esta é a última entrevista que concede. Na entrevista Alí faz comentários muito significativos. Segundo indica este muçulmano na entrevista:

  “A virgem de Fátima é uma serva de Deus, uma intermediária…”

  Sobre o atentado do Papa disse:

“Este atentado estava decidido. Como estava decidido que o Papa sobreviveria acontecesse o que acontecesse.”

O artigo de El Mundo segue comentando que Rosário Priore, instrutor do processo durante 15 anos, sustentava que Alí Agca e os indutores do atentado estavam a par da profecia. Ou seja, que organizaram premeditadamente o 13 de Maio para coincidir com a Festa de Fátima. Por último, é interessante notar o que Alí declara que fará no dia que recupere a liberdade:

“A primeira coisa que farei como homem livre será ir a Fátima, porque o milagre ainda tem que completar-se. Fátima é o prelúdio do fim do mundo. Há algo que não foi dito nem revelado. Deus elegeu o Vaticano para preparar a Humanidade para o fim do mundo. (…) Depois dedicarei a minha existência à difusão da mensagem de Fátima.” (El Mundo, Terça, 13 de Junho de 2000)

Qualquer um diria que Alí é muçulmano. É evidente que mais que muçulmano parece católico, e é também evidente que a Igreja Católica, promoveu uma religião para afastar os países árabes do verdadeiro evangelho. Qualquer sistema é bom para afastar da mira o homem de Cristo. Em vez de buscar salvação em Jesus Cristo, seguem pondo os olhos em Meca. Desta forma, o inimigo tem mantido e mantém enganadas a milhões de pessoas, com os prejuízos suficientes para que não creiam no evangelho.

Na sua audiência semanal no final de Maio de 1999, João Paulo II referiu-se aos muçulmanos numa série de diálogos inter-religiosos. Ele citou o Catecismo da igreja Católica de 1994 onde diz: “…juntamente connosco, eles (os muçulmanos) adoram ao único, misericordioso Deus.” (Battle Cry, Janeiro/Fevereiro 2000, www.chick.com). Se os muçulmanos adoram um deus pagão e o Papa diz que os católicos adoram o mesmo deus. A quem estão adorando os católicos?

Recentemente, a Igreja Reformada dos Países Baixos fez um chamado a todos os teólogos cristãos para que reconhecessem a Mohamed como um profeta equiparado a qualquer um dos profetas bíblicos do antigo testamento. Uma vez mais as igrejas protestantes prosseguem atrás da besta. Os movimentos religiosos deste mundo reconhecem e admitem que Alá é outro nome de Deus, mas Alá era um deus pagão. Ao aceitar a Alá como deus e a Mahoma como um profeta comparável a Jesus, o movimento ecuménico acrescenta mais confusão àqueles que desconhecem a origem do islamismo. O mais estranho é que supostos cristãos o façam.

Recordemos o que Jesus disse: “Quem não é comigo é contra mim.” (Mateus 12:30) Todos os movimentos religiosos seja o catolicismo, islamismo, budismo, e incluindo o protestantismo está contra Deus, já que Ele disse ser “o único Deus verdadeiro.” (João 17:3) Se admitimos outros deuses e outros profetas, estamos negando a Deus e a Jesus Cristo, o único e através do qual se nos deu a salvação.

Agora podemos entender porque o rei Mohamed VI de Marrocos recebeu com agrado a imagem de Maria. Fátima e Maria cumprem o mesmo papel de virgem para religiões diferentes. Ainda que historicamente fossem duas pessoas diferentes, na realidade são uma mesma “virgem” que aparece e desaparece fazendo-se passar por uma, ou outra. Este é o grande vínculo de união entre o Islão e o catolicismo. De facto, nas mensagens de Fátima a “virgem” que apareceu disse repetidamente aos três pastores que era Maria. (El Mensaje de Fátima. Habla Lucia. pág. 12. Edições Sol de Fátima Orcesitas, Madrid). O Islão tampouco tem podido resistir à poderosa influência de Roma, pelo que chama ao Papa “santo padre”. Por isso a Bíblia diz que a Babilónia “tornou-se habitação de demónios” e que “todas as nações beberam do vinho da ira da sua prostituição; e os reis da terra se prostituíram com ela.” (Apoc. 18: 2,3) Segundo Alí Agca: “Deus elegeu o Vaticano para preparar a Humanidade para o fim do mundo.” Certamente, Deus está permitindo ao Vaticano e à Igreja Católica criar um movimento para unir todas as religiões apóstatas e assim fazer guerra contra a descendência do povo de Deus.

À medida que se vai agravando a crise espiritual do mundo, o povo de Deus deverá defender e pregar a verdade, o que provocará que seja aborrecido por todos. (Marcos 13:13) Que Deus nos ajude a não ceder às influências de Babilónia, e que apesar de sermos aborrecidos por todos, Deus nos preserve como suas testemunhas fiéis até ao fim. Amén. Tradução Susana Bezerra

14 de Maio de 2000 – ......................................................

"Nossa Senhora da Segunda Vinda" encontrada numa remota cidade em Belarus, antiga Bielorússia da antiga União Soviética. A descoberta da imagem foi profetizada por um visionário em 1993. Vejam a que ponto o engano e "aberração teológica" Satanás propõe aos seus seguidores, pois afinal, o que tem a ver Maria com a segunda vinda de Cristo? Lamentavelmente, milhões se prostram diante do paganismo moderno, pois faltam-lhe a verdade clara e segura das escrituras. Que grande momento para o que se proclama igreja remanescente acordar, e abertamente declarar a Segunda Vinda de Cristo conforme é revelada nas escrituras Sagradas.

"Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios

que, se possível fora, enganariam até os escolhidos." Mateus, 24: 24. "Porque, assim

como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a

vinda do Filho do Homem." Verso: 27.

 

VERDADE